Portal da USP Portal da USP Portal da USP

A morte, musa da filosofia

Maria Lúcia Cacciola

Resumo


FIM ÚLTIMO DA VIDA DO INDIVÍDUO E NÃO DA ESPÉCIE, A MORTE NÃO SIGNIFICA PARA SCHOPENHAUER O FIM DA VONTADE ENQUANTO ESSÊNCIA, ISTO É, DO QUERER-VIVER INDESTRUTÍVEL. A VISÃO DA MORTE COMO “MUSA DA FILOSOFIA” E DA FILOSOFIA COMO “PREPARAÇÃO PARA A MORTE” LIGA-SE À IMPORTÂNCIA DO ORGANISMO E DE SEU CICLO VITAL NO PENSAMENTO DO FILÓSOFO. ESSE SERÁ O PONTO DE PARTIDA PARA MOSTRAR A INTERDEPENDÊNCIA DE SUAS REFLEXÕES SOBRE A ÉTICA E, ACIMA DE TUDO, DA SUA CONDENAÇÃO DO SUICÍDIO, EM RELAÇÃO À SUA METAFÍSICA IMANENTE DA VONTADE COMO QUERER-VIVER, INCONTROLÁVEL PELO ARBÍTRIO INDIVIDUAL. DESSE MODO, UMA TAL “FILOSOFIA DA NATUREZA” MOSTRA O SEU PRESSUPOSTO: A IMPOSSIBILIDADE DE CONTROLE, POR QUALQUER INSTÂNCIA EXTERIOR, DESSE IMPULSO PRIMORDIAL. EM CONTRAPARTIDA, PÕE-SE A DIFERENÇA ABISSAL ENTRE A MORTE DO INDIVÍDUO E A NEGAÇÃO DA ATIVIDADE DA VONTADE.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2318-9800.v0i9p91-105

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




INDEXADO POR:  Clase; International Philosophical Bibliography - Répertoire bibliographique de la philosophie; Latindex; The Philosopher's Index; Ulrich’s Periodicals Directory. ESTRATO A2 NO QUALIS DA CAPES.