Portal da USP Portal da USP Portal da USP

Ilhas de calor: representações espaciais de cidades de pequeno porte por meio de modelagem

Danielle Cardozo Frasca Teixeira, Margarete Cristiane de Costa Trindade Amorim

Resumo


Entendidas como bolsões de ar quente que se formam sobre a superfície urbana, as ilhas de calor atmosféricas resultam de alterações no uso da terra, de atividades humanas e de características do relevo em escala local. O monitoramento desse fenômeno se baseia tradicionalmente em procedimentos clássicos, que usam de métodos de interpolação que desconsideram as feições da superfície e produzem relativas generalizações. Este artigo apresenta uma sequência de procedimentos para a modelagem da ilha de calor relacionando a temperatura do ar com categorias de uso da terra em estudo aplicado a Rancharia-SP, cidade de pequeno porte situada no ambiente tropical. O procedimento mostra um avanço significativo no tratamento dos dados de fina escala, pois permite identificar as feições superficiais que concorrem para a formação da ilha de calor e pode orientar intervenções no espaço urbano que atenuem seus efeitos.


Palavras-chave


Clima urbano. Ilha de calor urbana. Modelagem. Rancharia-SP. Verão.

Texto completo:

PDF

Referências


AGRITEMPO, [s.d]. Disponível em: http://www.agritempo.gov.br/. Acesso em: 25 jun. 2013.

AMORIM, M. C. C. T. Climatologia e gestão do espaço urbano. Mercator, Fortaleza, v. 9, n. 1, p. 71-90, dez. 2010. Número especial.

______. Intensidade e forma da ilha de calor urbana em Presidente Prudente-SP: episódios de inverno. Geosul, Florianópolis, v. 20, n. 39, p. 65-82, 2005.

AMORIM, M. C. C. T.; DUBREUIL, V.; CARDOSO, R. S. Modelagem espacial da ilha de calor urbana em Presidente Prudente-SP, Brasil. Revista Brasileira de Climatologia, Curitiba, v. 16, p. 29-45, 2015.

AMORIM, M. C. C. T. et al. Características das ilhas de calor em cidades de porte médio: exemplos de Presidente Prudente (Brasil) e Rennes (França). Confins [Online], n. 7, 2009. Disponível em: http://confins.revues.org/index6070.html. Acesso em: 11. abr. 2017.

ARNFIELD, A. J. Two decades of urban climate research: a review of turbulence, exchanges of energy and water and the urban heat island. International Journal of Climatology, v. 23, p. 1-26, 2003.

CHEN, X. L. et al. Remote sensing image-based analysis of the relationship between urban heat island and land use/cover changes. Remote Sensing of Environment, n. 106, p. 133-146, 2006.

FIALHO, E. S. Ilha de calor em cidade de pequeno porte: caso de Viçosa, na zona da mata mineira. Tese (Doutorado em Geografia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

FOISSARD X.; QUENOL, H.; DUBREUIL, V. Analyse et spatialisation de l’ilot de chaleur urbain dans l’agglomération rennaise. In: COLLOQUE DE L'AIC, COTONOU, 26., 2013, Bénin. Actes... Bénin, p. 242-247, set. 2013.

FERNÁNDEZ GARCÍA, F. Manual de climatología aplicada: clima, medio ambiente y planificación. Madrid: Síntesis, 1996.

______. La influencia de la ciudad sobre las precipitaciones: el caso de Madrid. Estudios Geográficos, Madrid, p. 397-412, 1990.

______. El clima de la Meseta Meridional: los tipos de tiempo. Madrid: Universidad Autónoma, 1986.

GARTLAND, L. Ilhas de calor: como mitigar zonas de calor em áreas urbanas. São Paulo: Oficinas de Textos, 2010.

GOOGLE. Google Earth. Versão 7.1.8, 2015. Escala aproximada: 213 metros. Disponível em: https://www.google.com/earth/. Acesso em: 17 jan. 2017.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo demográfico 2010. Sinopse, 2010. Disponível em: http://cidades.ibge.gov.br/xtras/temas.php?lang=&codmun=354220&idtema=1&search=sao-paulo|rancharia|censo-demografico-2010:-sinopse-. Acesso em: 27 abr. 2017.

______. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Base cartográfica vetorial de setores censitários. Rio de Janeiro: IBGE, 2007. Disponível em: ftp://geoftp.ibge.gov.br/organizacao_do_territorio/malhas_territoriais/malhas_municipais/municipio_2007/. Acesso em: 27 abr. 2017. Escala 1: 2500.

______. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. [s.d]. Disponível em: http//:www.ibge.gov.br. Acesso em: 14 mar. 2014.

JENSEN, J. R. Sensoriamento remoto do ambiente: uma perspectiva em recursos terrestres. 2. ed. São José dos Campos: Parenteses, 2009.

LANG, S.; BLASCHKE, T. Análise da paisagem com SIG. Trad. Hermann Kux. São Paulo: Oficina de Textos, 2009.

LOMBARDO, M. A. Ilha de calor nas metrópoles: o exemplo de São Paulo. São Paulo: Hucitec, 1985.

LOURENÇO, R. W.; LANDIM, P. M. B. Análise de regressão múltipla espacial. Rio Claro: Unesp/IGCE/DGA/Lab. Geomatemática, 2004. Texto Didático 13. Disponível em: http://www.rc.unesp.br/igce/aplicada/DIDATICOS/LANDIM/Texto13.pdf. Acesso em: 13 maio 2015.

MENDONÇA, F.; DUBREUIL, V. Termografia de superfície e temperatura do ar na RMC (Região Metropolitana de Curitiba-PR). Revista RA'E GA – O espaço geográfico em análise, n. 9, p. 25-35, 2005.

MONTEIRO, A. O clima urbano do Porto: contribuição para a definição das estratégias de planejamento e ordenamento do território. Porto: Fundação Calouste Gulbenkian/Junta Nacional de Investigação Científica e Tecnológica, 1997.

MONTEIRO, C. A. F. Adentrar a cidade para tomar-lhe a temperatura. Geosul, Florianópolis, v. V, n. 9, p. 80-114, 1990.

NUCCI, J. C. Qualidade ambiental e adensamento urbano. São Paulo: Humanitas/Fapesp, 2001.

NUNES, L. H.; VICENTE, A. K.; CANDIDO, D. H. Clima da região Sudeste do Brasil. In: CAVALCANTI, I. F. A. et al. Tempo e clima no Brasil. São Paulo: Oficina de Textos, 2009. p. 243-258.

OKE, T. R. Siting and exposure of meteorological instruments at urban sites. In: BORREGO, C.; NORMAN, A.-L. (Ed.). Air Pollution Modeling and its Application XVII. Nova York: Springer, 2007. p. 615-632.

______. Boundary Layer Climates. Florence-EUA: Routledge, 1987.

______. Review of urban climatology: 1968-1973. Geneva: World Meteorological Organization, 1974 (WMO Technical note, 134).

STATHOPOULOU, M.; CARTALIS, C. Daytime urban heat islands from Landsat ETM+ and Corine land cover data: an application to major cities in Greece. Solar Energy, n. 81, p. 358-368, 2006.

TEIXEIRA, D. C. F. O clima urbano de Rancharia-SP. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Faculdade de Ciências e Tecnologia de Presidente Prudente, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2015.

______; AMORIM, M. C. C. T.; DUBREUIL, V. Modelagem da ilha de calor urbana para cidade pequena (Rancharia-SP) a partir de imagens do satélite Landsat 7 e de medidas da temperatura do ar. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 17., 2015, João Pessoa. Anais... João Pessoa, 2015. p. 1-8.

USGS. Landsat Missions, [s.d]. Disponível em: http://landsat.usgs.gov/best_spectral_bands_to_use.php. Acesso em: 3 mar. 2016.

______. Earth Explorer, [s.d]. Disponível em: http://earthexplorer.usgs.gov/. Acesso em: 3 mar. 2016.

______. Earth Resources Observation and Science Center (EROS). Glovis, [s.d]. Disponível em: http://glovis.usgs.gov/. Acesso em: 3 mar. 2016.

WENG, Q. Thermal infrared remote sensing for urban climate and environmental studies: Methods, applications, and trends. ISPRS Journal of Photogrammetry and Remote Sensing, v. 64, n. 4, p. 335-344, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2017.113406

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Danielle Cardozo Frasca Teixeira, Margarete Cristiane de Costa Trindade Amorim

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

GEOUSP: Espaço e Tempo (Online)
ISSN 2179-0892
Departamento de Geografia - FFLCH - USP
geouspusp.br / www.geografia.fflch.usp.br