Portal da USP Portal da USP Portal da USP

A História Esquecida: os Manicômios Judiciários no Brasil

Sérgio Luis Carrara

Resumo


Apoiado em uma perspectiva antropológica, o artigo aborda a história do surgimento dos manicômios judiciários no Brasil na passagem dos séculos XIX-XX. Tal história é analisada tomando como caso exemplar o processo de criação, no Rio de Janeiro, do Hospital de Custódia e Tratamento Psiquiátrico Heitor Carrilho, primeira instituição do gênero no país. Indaga como se construiu a ambígua figura do louco-criminoso e a instituição que dele se ocupa, explorando o significado social do crime ou da transgressão a partir dos diversos discursos e práticas que os tomaram como objetos de reflexão e de intervenção. Coloca em foco, de um lado, as discussões teóricas que, na passagem do século, versavam sobre as relações entre criminalidade e loucura; de outro, a prática judicial concreta sobre a qual tais discussões incidiam e que se desenrolava então nos tribunais cariocas.

Palavras-chave


manicômio judiciário;crime;loucura;história

Texto completo:

PDF

Referências


Carrara S. Crime e Loucura. O aparecimento do manicômio judiciário na passagem do século. Rio de Janeiro e São Paulo: Eduerj/Edusp, 1998.

Fry P, Carrara S. As vicissitudes do liberalismo no Código Penal brasileiro. Rev. Bras. Ciências Sociais. 1986;1(2).

Goffman E. Manicômios, prisões e conventos. São Paulo: Ed. Perspectiva; 1974.

Svcenko N. Literatura como missão. Tensões sociais e criação na Primeira República. 2ª ed. São Paulo: Brasiliense; 1985.

Dubois J. Naissance du recit policier. Actes de la Recherche en Sciences Sociales, nº 60, 1985.

Reimão SL. O que é romance policial. São Paulo: Brasiliense, l984.

Chalhoub, S. Trabalho, lar e botequim: vida cotidiana do Rio de Janeiro da belleé poque. Dissertação mestrado. Universidade Federal Fluminense/Dep. História. Mimeo, l984.

Fausto B. Crime e cotidiano: a criminalidade em São Paulo (1880/1924). São Paulo: Brasiliense, 1984.

Foucault M. Vigiar e punir. Nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 1977.

Brandão BC, et al. A polícia e a força policial no Rio de Janeiro. Série Estudos, PUC/RJ, nº 4, 1981.

Schwarz R. Ao vencedor as batatas. Forma literária e processo social nos inícios do romance brasileiro. São Paulo: Liv. Duas Cidades, 1977.

Foucault, M. História da loucura na idade clássica. São Paulo: Ed. Perspectiva, 1978.

Aragão AMS. As três escolas penais: clássica, antropológica e crítica (estudo comparativo), 2ª. ed. Rio de Janeiro: Jacinto Ribeiro dos Santos;1917.

Leal AA. Germens do crime. Bahia: Liv. Magalhães; 1896.

Dória JRC. O crime - suas causas, seus autores e seu tratamento. Bahia: Liv. Econômica; 1925.

Viveiros de Castro FJ. A nova escola penal. Rio de Janeiro: Liv. Moderna; 1894.

Carrara, S. Os mistérios de Clarice: etnografia d’Um crime na avenida. Papéis Avulsos, nº1, vol. 2. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Ruy Barbosa,1986.

Szasz TH. La loi, la liberté et lapsychiatrie. Paris: Payot, 1977.

Evans-Pritchard EE. Bruxaria, oráculose magia entre os Azande. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.




DOI: http://dx.doi.org/10.7322/jhgd.19939

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.