Portal da USP Portal da USP Portal da USP

A epistemologia genética de Piaget e o construtivismo

Luiz Carlos de Abreu, Márcio Alves de Oliveira, Tatiana Dias de Carvalho, Sonia R. Martins, Paulo Rogério Gallo, Alberto Olavo Advíncula Reis

Resumo


A Epistemologia Genética defende que o indivíduo passa por várias etapas de desenvolvimento ao longo da sua vida. O desenvolvimento é observado pela sobreposição do equilíbrio entre a assimilação e a acomodação, resultando em adaptação. Assim, nesta formulação, o ser humano assimila os dados que obtém do exterior, mas uma vez que já tem uma estrutura mental que não está "vazia", precisa adaptar esses dados à estrutura mental já existente. O processo de modificação de si próprio é chamado de acomodação. Este esquema revela que nenhum conhecimento chega do exterior sem que sofra alguma alteração pelo indivíduo, sendo que tudo o que se aprende é influenciado por aquilo que já havia sido aprendido. A assimilação ocorre quando a informação é incorporada às estruturas já pré-existentes nessa dinâmica estrutura cognitiva, enquanto que a adaptação ocorre quando o organismo se modifica de alguma maneira de modo a incorporar dinamicamente a nova informação. Por fim, de um pensamento moderno que, buscando a síntese inusitada entre o biológico e o lógico-matemático, parece encontrar seus limites na desconstrução ainda mais inusitada a que tende sistematicamente todo o pensamento na atualidade: a de si mesmo se construindo de modo essencialmente esclarecido.

Palavras-chave


assimilação;estrutura cognitiva;construtivismo;Piaget;Piaget

Texto completo:

PDF

Referências


Rosa, Paulo Ricardo da Silva. Instrumentação para o Ensino de Ciências. Disponível em: http:/www.dfi.ccet.ufms.br/prrosa/Pedagogia/index.htm. Acesso em: 07/07/2010.

Pádua, Gelson Luiz Daldegan. A epistemologia genética de Jean Piaget. Rev FACEVV. 2009;1(2):22-35.

Fraysse JC. Combined effects of friendship and stage of cognitive development on interactive dynamics. J Genetic Psychology. 1994;155(2):161-177.

Guimarães KP, Breneli RP. Pedagogica intervention through Ring Toss Game and the construction of the notion of multiplication: a Piagetian study. Disponível em: Rev. Eletr. psicologia e epistemologia. 2009;2(3): (Jan-Jul. Acesso em: 2010-14-07.

Downs RM, Liben LS. Mediating the environment: Communicating, appropriating and developing graphic representations of place. In: R. H. Wozniak, KW Fischer (Orgs.), Development in Context. Acting andthinking in specific environments (pp. 155-181). Hillsdale, NJ: Lawrence Erlbaum; 1993.

Moro MLF. Crianças com crian-ças, aprendendo: Interação social e construção cognitiva. Cadernos de Pesquisa. 1991;79:31-43.

Moro MLF. A epistemologia genética e a interação social de crianças. Psicol. Reflex. Crit. 2000;13(2):295-310. Doi: 10.1590/S0102-79722000000200009.

Piaget J. (1962). Commentaires sur les re-marques critiques de Vygotsky. Em B. Schnewly, J. P. Bronckart (Orgs.), Vygotsky aujourd’hui (pp.120-137). Neuchâtel/Paris: Delachaux et Niestlé.

Perret-Clermont AN. Rapportd’activité du séminaire de psychologie, Université de Neuchâtel. Cahiers de Psychologie. 1987;26:43-56.

Piaget J. As operações lógicas e avida social. Em J. Piaget (Org.), Estudos sociológicos. 1973;p.164-193.

Fraysse JC, Desprels-Fraysse A. Apprentissage et développement: Une approche génétique. Enfance. 1987; 40(3):231-244.

Lourenço OM, Armando. In Defense of Piaget’s Theory: A Reply to10 Common Criticisms. Psychological Review. 1996;103(1):143-164.

Lourenço O. Além de Piaget? Sim, mas primeiro além da sua interpretação padrão! Análise Psicológica. 1998;4(XVI): 521-552.




DOI: http://dx.doi.org/10.7322/jhgd.19973

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.