Portal da USP Portal da USP Portal da USP

Instrumentos de Avaliação para os Dois Primeiros Anos de Vida do Lactente

Rafaela Silva Moreira, Elyonara Mello de Figueiredo

Resumo


Resumo

Introdução: a avaliação do desenvolvimento de lactentes objetiva identificar e classificar precocemente um atraso de desenvolvimento e/ou programar uma intervenção. Esta avaliação é considerada ineficiente quando realizada apenas por julgamento clínico profissional. Dessa forma existem inúmeras escalas de avaliação que podem auxiliar os profissionais neste processo, sendo necessário um maior conhecimento de suas vantagens e desvantagens. Objetivo: identificar e analisar instrumentos de avaliação do desenvolvimento infantil para lactentes de zero a dois anos de idade. Método: realizou-se busca nas principais bases de dados informatizadas, nos manuais dos instrumentos de avaliação e livros de Fisioterapia Pediátrica. Foram extraídos de cada instrumento: caracterização geral, propriedades psicométricas, pressuposto teórico que embasa o instrumento, validade para crianças brasileiras e acessibilidade para o fisioterapeuta no Brasil. Resultados: Foram selecionados os artigos referentes aos testes TIMP, DUBOWITZ, MAI, AIMS e BAYLEY-III. O TIMP apresentou os melhores índices de confiabilidade e sensibilidade para avaliação de bebês prematuros nos quatro primeiros meses de vida, contudo é sua aplicação é demorada e depende do estado emocional do lactente. DUBOWITZ é de fácil e rápida aplicação apesar de não ser muito acessível no Brasil. A literatura sugere uma reavaliação do MAI à medida que este exibe uma limitada base psicométrica e uma pobre validade de construto. A AIMS apresenta as melhores propriedades psicométricas e condições para uso clínico. A Bayley-III está entre os melhores instrumentos, pois seus dados são válidos, confiáveis e objetivos, contudo pouco utilizada no Brasil provavelmente pelo custo do material de aplicação. Conclusão: Em lactentes pré-termo o uso do TIMP apresenta as melhores propriedades psicométricas, já em lactentes de até 18 meses a AIMS é uma melhor opção, e acima desta idade a Bayley-III atinge os objetivos propostos com adequadas propriedades psicométricas.


Palavras-chave


desenvolvimento infantil; lactente; avaliação; reprodutibilidade dos testes; fisioterapia

Texto completo:

PDF (English) PDF

Referências


Spittle AJ, Doyle LW, Boyd RN . A systematic review of the clinimetric properties of neuromotor assessments for preterm infants during the first year of life. Developmental Medicine & Child Neurology 2008; 50:254–266.

Bly, L. Motor skills acquisition in the first year: an illustrated guide to normal development. Therapy Skill Builders; 1994.

Santos RS, Araújo APQC, Porto MAS. Early diagnosis of abnormal development of preterm newborns: assessment instruments. Jornal de Pediatria 2008; 84(4).

Piper M, Darrah J. Motor Assessment of The Developing Infant. Philadelphia: W.B. Company; 1994.

Vieira MEB, Ribeiro FV, Formiga CKMR. Principais instrumentos de avaliação de desenvolvimento da criança de zero a dois anos de idade. Revista Movimenta 2009;2(1).

Mancini MC, Teixeira S, Araújo LG, Magalhães LC, Coelho, ZAC. Estudo do desenvolvimento da função motora aos 8 e 12 meses de idade em crianças nascidas pré-termo e a termo. Arq. neuropsiquiatr 2002; 60(4): 974-980.

Snider L, Majnemer A, Mazer B, Campbell S, Bos AF. Prediction of Motor and Functional Outcomes in Infants Born Preterm Assessed at Term. Pediatric Physical Therapy 2009; 21:2-11.

Portney LG, Watkins MP. Foundations of clinical research: applications to practice. 3 ed. Pearson: prentice hall; 2009.

Burton AW. Movement Skill Assessment. University of Minnesota: ed Human Kinetics; 1998.

Heineman K R, Hadders-Algra M. Evaluation of Neuromotor Function in Infancy–A Systematic Review of Available Methods. J Dev Behav Pediatr 2008; 29:315–323.

Majnemer A, Snider L. A comparison of developmental assessments of the newborn and young infant. Mental retardation and developmental disabilities. Research Reviews 2005; 11: 68–73.

Herrero D, Gonçalves H, Siqueira AAF, Abreu LC. Escalas de desenvolvimento motor em lactentes: Test of infant motor performance e a Alberta infant motor scale. Rev Bras Crescimento Desenvolvimento Hum. 2011; 21(1):122-132

Molteno C, Grosz P, Wallace P, Jones M. Neurological examination of the preterm and fullterm infant at risk for developmental disabilities using the Dubowitz Neurological Assessment. Early Human Development 1995; 41:167-176.

Dubowitz L; Dubowitz V. The neurological Assessment of the preterm and full-term newborn infant. Clinics in Developmental medicine 1981;79.

Dubowitz L, Ricci D, Mercuri E. The dubowitz neurological examination of the full-term newborn. Mental retardation and developmental disabilities 2005; 11:52–60.

Woodward LJ, Mogridge N, Scott WW, Terrie EI. Can Neurobehavioral Examination Predict the Presence of Cerebral Injury in the Very Low Birth Weight Infant? Developmental and Behavioral Pediatrics 2004; 25(5).

Magalhães LV, Lacerda TTB. Análise da validade dos itens do Movement Assesment of infants-MAI- para crianças pré-termo. Revista Brasileira de Saúde Materno infantil 2006; 6(3):297-308.

Cardoso AA, Magalhães LC, Amorim RHC, Paixão ML, Mancini MC, Rossi LDF. Validade preditiva do Movement Assesment of Infants para crianças pré-termo brasileiras. Arquivos de Neuropsiquiatria 2004; 62(4).

Manacero S, Nunes ML. Evaluation of motor performance of preterm newborns during the first months of life using the Alberta Infant Motor Scale (AIMS). Jornal de Pediatria 2008; 84(1).

Valentini NC, Saccani R. Brazilian Validation of the Alberta Infant Motor Scale. Physical Therapy 2012; 92:440-447.

Almeida KM, Dutra MVP, Mello RR, Reis ABR, Martins PS. Validade concorrente e confiabilidade da Alberta Infant Motor Scale em lactentes nascidos prematuros. Jornal de Pediatria 2008; 84(5).

Bayley, N. Bayley scales of infant and toddler development. 3ed. San Antonio: Pearson; 2006.

Silva NDSH, Filho FL, Gama MEAG et al. Instrumentos de avaliação do desenvolvimento infantil de recém-nascidos prematuros. Rev. Bras. Cresc. e Desenv. Hum. 2011; 21(1): 85-98.

Harris SR, Megens AM, L Backman CL, Hayes VEH. Stability of the Bayley II Scales of Infant Development in a sample of low-risk and highrisk infants. Developmental Medicine & Child Neurology 2005; 47: 820–823.

Weiss L G, Oakland T, Aylward G. Bayley-III Clinical Use and Interpretation – 2010. [Livro online]. [Acesso em 16 abr 2012]. Disponível em: http://books.google.com.br/books.

Jackson, BJ, Needelman H, Roberts H, Willet S, Mcmorris C. Bayley Scales of Infant Development Screening Test-Gross Motor Subtest: efficacy in determining need for services. Pediatric physical therapy / 2012; 24(1): 58-62.




DOI: http://dx.doi.org/10.7322/jhgd.61309

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.