Copiando O Homem que Copiava: intertextualidades, fragmentos e autoria

Autores

  • Eduardo Miranda Silva Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-677X.rum.2023.214830

Palavras-chave:

Narrativa, Audiovisual, Intertextualidade, Jorge Furtado

Resumo

Este artigo aborda a questão da cópia no âmbito do debate acerca de noções como autoria, originalidade e perda da centralidade da figura do autor a partir da descoberta da existência de uma adaptação não autorizada envolvendo o filme indiano Currency, de 2009, dirigido pelo cineasta Swathi Bhaskar, e o longametragem brasileiro O Homem que Copiava, de 2003, roteirizado e dirigido por Jorge Furtado. A partir da retomada de questões intertextuais contidas na obra de Furtado e da conhecida relação do diretor com o cânone literário, pretende-se discutir o fragmento e a montagem contemplados na obra brasileira. Também se objetiva analisar a mise en abyme, que extrapola o circuito ficcional diante da reação irônica e lúdica de Jorge Furtado ao saber de um copiador que plagiou seu filme sobre um copiador.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Eduardo Miranda Silva, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

    Doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade e professor do curso de Estudos de Mídia da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio).

Referências

BORGES, J. L. Ficções. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

BRESSANE, J. Entrevista concedida a Eduardo Miranda Silva. Rio de Janeiro, abr. 2010.

CALIL, R. Estreia nos EUA a “réplica” de “Psicose”. Ilustrada, Folha de S.Paulo, 4 dez. 1998. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq04129814.htm. Acesso em: 1 fev. 2023.

ECO, U. Sobre os espelhos e outros ensaios. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1989.

FIGUEIREDO, V. L. F. de. Narrativas migrantes: literatura, roteiro e cinema. Rio de Janeiro: PUC-Rio: 7Letras, 2010.

FURTADO, J. O homem que copiava o homem que copiava. 11 nov. 2022. Facebook: jorge.furtado.52. Disponível em: https://www.facebook.com/jorge.furtado.52. Acesso em: 7 nov. 2023.

GOLDSMITH, K. Copiar é preciso, inventar não é preciso. Entrevista a Giselle Beiguelman. Revista Select, 27 set. 2011. Disponível em: https://bit.ly/3lvB3QI. Acesso em: 23 fev. 2023.

MACHADO, A. O sujeito na tela: modos de enunciação no cinema e no ciberespaço. São Paulo: Paulus, 2007.

MULVEY, L. Prazer visual e cinema narrativo. In: XAVIER, I. (Org.). A experiência do cinema. Rio de Janeiro: Graal, 1983.

O HOMEM que copiava. Direção: Jorge Furtado. Porto Alegre: Casa de Cinema de Porto Alegre: Globo Filmes, 2003. 1 fita de vídeo (123 min).

PERRONE-MOISÉS, L. Mutações da literatura no século XXI. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

SAMOYAULT, T. A intertextualidade. São Paulo: Aderaldo & Rothschild, 2008.

STAM, R. A literatura através do cinema: realismo, magia e a arte da adaptação. Belo Horizonte: UFMG, 2008.

VALENTE, E. Psicose de Gus Van Sant. Revista Contracampo, 31 jan. 2002. Disponível em: https://bit.ly/3yY7eLG. Acesso em: 7 fev. 2023.

VIEIRA, J. L. As tramas do olhar. In: PINHEIRO, M. (Org.). Alfred Hitchcock. Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil, 2013. Disponível em: https://bit.ly/40o3D5k. Acesso em: 5 fev. 2023.

Downloads

Publicado

2023-12-29

Edição

Seção

Dossiê

Como Citar

Copiando O Homem que Copiava: intertextualidades, fragmentos e autoria. RuMoRes, [S. l.], v. 17, n. 34, p. 37–54, 2023. DOI: 10.11606/issn.1982-677X.rum.2023.214830. Disponível em: https://revistas.usp.br/Rumores/article/view/214830.. Acesso em: 28 maio. 2024.