O funcionamento pré-discursivo e as estratégias textuais

Autores

  • Mônica Magalhães Cavalcante Universidade Federal do Ceará
  • Mariza Angélica Paiva Brito Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira https://orcid.org/0000-0001-5375-5480
  • Mayara Arruda Martins Universidade Federal do Ceará

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2236-4242.v37i1p68-85

Palavras-chave:

Texto, Discurso, Anterioridades, Contexto, Cognição distribuída

Resumo

Neste trabalho, objetivamos mostrar como uma análise textual lida com as anterioridades discursivas. Os pré-discursos se referem a ideias, crenças e narrativas que circulam em uma sociedade ou grupo social e que influenciam na produção e na interpretação de discursos (Paveau, 2013 [2006]). Essas anterioridades discursivas devem ser consideradas na análise linguística do texto, uma vez que elas afetam as perspectivas e as posições individuais em relação a diferentes questões. Analisamos duas charges humorísticas para compreender essa dinâmica das influências sociais e culturais que permeiam a produção e interpretação textual. Ao levar em conta os pré-discursos na análise textual, reconhece-se que o sentido não é apenas resultado das características internas do texto em si, mas também é influenciado pelo contexto mais amplo em que o texto ocorre. Justificamos por que os critérios analíticos da linguística textual, como plano de texto, intertextualidade e referenciação, consideram as estratégias argumentativas supondo a cognição distribuída.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Mônica Magalhães Cavalcante, Universidade Federal do Ceará

    Doutora em Linguística pela Universidade Federal de Pernambuco (2000).
    Docente da Universidade Federal do Ceará (Brasil).

  • Mariza Angélica Paiva Brito, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira

    Doutora em Linguística pela Universidade Federal do Ceará (2010).
    Docente da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-brasileira (Brasil).
    Bolsista de Produtividade em Pesquisa da FUNCAP (BPI/CE)

  • Mayara Arruda Martins, Universidade Federal do Ceará

    Doutoranda em Linguística pela Universidade Federal do Ceará (UFC).

Referências

AMOSSY, R. A argumentação no discurso. Coord. de trad. Eduardo Lopes Piris e Moisés Olímpio-Ferreira. Trad. Angela M. S. Corrêa et alii. São Paulo: Contexto, 2018.

AMOSSY, R.; PIERROT. A. H. Estereótipos e Clichês. Tradução: Mônica Magalhães Cavalcante et al. São Paulo: Contexto, 2022.

ARENDT, H. A condição humana. Tradução de Roberto Raposo. 10ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.

CAVALCANTE et al. Linguística Textual: conceitos e aplicações. Pontes Editores. 2022.

HANKS, W. F. Língua como prática social: das relações entre língua, cultura e sociedade a partir de Bourdieu e Bakhtin. BENTES, A. C.; RESENDE, R. C.; MACHADO, M. A. R. (Org.). São Paulo: Cortez, 2008.

HUTCHINS, E. Distributed cognition. In: International Encyclopedia of the Social and Behavioral Sciences. Elsevier Science, 2000.

LIPPMANN, W. Opinião Pública. Petrópolis, Rio de Janeiro. Vozes, 2008.

MARTINS, M. A. Tecnotextualidade e campo dêitico digital: aspectos interacionais e enunciativos. Tese de doutorado. Fortaleza, 2024.

PAIVA, V. L. M. O. Propiciamento (affordance) e autonomia na aprendizagem de língua inglesa. In: LIMA, D. C. Aprendizagem de língua inglesa: histórias refletidas. Vitória da Conquista: Edições UESB, 2010. https://jornal.usp.br/atualidades/o-que-esperar-da-politica-da-economia-e-de-outros-temas-vitais-ao-brasil-em-2022/.

PAVEAU, M-A. Os pré-discursos: sentido, memória, cognição. Trad. G. Costa, D. Massmann. Campinas: Pontes, 2013 [2006].

PAVEAU, M-A. Análise do Discurso Digital: dicionário das formas e das práticas. Org. da trad. Júlia Lourenço Costa e Roberto Leiser Baronas. 1 ed. Campinas: Pontes Editores, 2021 [2017].

RABATEL, A. Effacement énonciatif et argumentation indirecte. On perceptions', ‘on-représentations' et 'on-vérités dans les points de vue stéréotypés. In: Raccah, P.-Y. (dir.), Signes, langues, cognition, Paris, L'Harmattan, p. 87-118. 2005.

SEIXAS, R. Entre a retórica do impeachment e a do golpe: análise do conflito de lógicas argumentativas na doxa política brasileira. 2019. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2019.

SILVA, M. P. A manifestação referencial dos estereótipos sobre a mulher na construção persuasiva de anúncios de cerveja. 2022. Dissertação (Mestrado em Letras) - Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira, Redenção. 2022.

SOARES, M. S. Estratégias argumentativas e anterioridades - uma análise textual. In: Seminário Internacional de Estudo sobre Discurso e Argumentação (SEDiAr), 2023, São Paulo.

Downloads

Publicado

2024-03-14

Como Citar

CAVALCANTE, Mônica Magalhães; BRITO, Mariza Angélica Paiva; MARTINS, Mayara Arruda. O funcionamento pré-discursivo e as estratégias textuais. Linha D’Água, São Paulo, v. 37, n. 1, p. 68–85, 2024. DOI: 10.11606/issn.2236-4242.v37i1p68-85. Disponível em: https://revistas.usp.br/linhadagua/article/view/213925.. Acesso em: 20 jun. 2024.