#ANJO: Explorando a produção e o consumo de memoriais a vítimas de crimes reais em plataformas de redes sociais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-677X.rum.2023.216250

Palavras-chave:

Comunicação e consumo, Morte e redes sociais, Instagram

Resumo

Este artigo investiga a produção de narrativas em homenagem às vítimas de crimes, compartilhadas em plataformas digitais. Debateu-se o consumo simbólico da morte e do luto por meio de produtos comunicacionais, mobilizando no referencial teórico autores dos estudos da midiatização e do consumo. Utilizou-se a Análise de Conteúdo e a Análise Discursiva Comunicacional para examinar três perfis memoriais dedicados à mesma pessoa, com o objetivo de discernir os processos de produção de conteúdo e avaliar as dinâmicas de interação nesses espaços, bem como as possíveis motivações subjacentes. Compreender essas produções como um componente integral da linguagem social contemporânea nos permite pensar os produtos e processos comunicacionais que fazem parte das inquietantes questões do mundo em que vivemos.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Bianca Souza Biadeni, Escola Superior de Propaganda e Marketing

    Doutoranda em Comunicação e Práticas de Consumo pela Escola Superior de Propaganda e Marketing – ESPM/SP. Pesquisadora integrante do GRUSCCO (Grupo CNPq de Pesquisa em Subjetividade, Comunicação e Consumo). E-mail: biancabiadeni@gmail.com

  • Gisela Grangeiro da Silva Castro, Universidade Federal do Rio de Janeiro

    Docente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Práticas de Consumo da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), São Paulo, Brasil. Doutora em Comunicação e Cultura (UFRJ), com pós-doutorado em Sociologia (Goldsmiths, University of London) e graduação e Psicologia (UFRJ). Coordena o Grupo CNPq/ESPM de Pesquisa em Subjetividade, Sociabilidade, Comunicação e Consumo e o Comitê ESPM de Direitos Humanos.

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BRUBAKER, J. R.; VERTESI, J. Death and the Social Network. In: ACM CONFERENCE ON HUMAN FACTORS IN COMPUTING SYSTEMS, 28., 2010, Atlanta. Anais […]. Atlanta: ACM, 2010.

COULDRY, N.; HEPP, A. Conceptualizing Mediatization: Contexts, Traditions, Arguments. Communication Theory, Hoboken, n. 23, p. 191-202, 2013.

DUARTE, G. A.; MINÉ, T. Z. Ao vivo post mortem: música, entretenimento, tecnologia e negócios. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 37., 2014, Foz do Iguaçu. […] Anais. São Paulo: Intercom, 2014.

GIBBS, M.; MEESE, J.; ARNOLD, M.; NANSEN, B.; CARTER, M. Funeral and Instagram: death, social media, and platform vernacular. Information, Communication & Society, Abingdon, v. 18, n. 3, p. 255-268, 2015.

HJARVARD, S. Midiatização: conceituando a mudança social e cultural. Matrizes, São Paulo, v. 8, n. 1, p. 21-44, 2014.

LEAVER, T.; HIGHFIELD, T. Imagining the ends of identity: birth and death on Instagram. Information Communication & Society, Abingdon, v. 21, n. 1, p. 1-16, 2016.

MACIEL, C.; PEREIRA, V. C. The internet generation and its representations of death: considerations for posthumous interaction projects. In: BRAZILIAN SYMPOSIUM ON HUMAN FACTORS IN COMPUTING SYSTEMS, 11., 2012, Cuiabá. Anais […]. Porto Alegre: Brazilian Computer Society, 2012. p. 85-94.

OLIVEIRA, E. M.; SALGADO, T. J.; THOMER, L.; JURBERG, C. Esperança x sofrimento nas mídias sociais: O que motiva seguidores do Instagram a seguir a temática câncer? RECIIS, Rio de Janeiro, v. 3, n. 4, p. 784-802, 2019.

RODRIGUEZ, B. Mãe de Isabella Nardoni desabafa sobre progressão na pena de madrasta: “Minha filha não volta”. UOL, 15 ago. 2023. Disponível em: https://paisefilhos.uol.com.br/familia/mae-de-isabella-nardoni-desabafa-sobre-progressao-na-pena-de-madrasta-minha-filha-nao-volta/. Acesso em: 22 set. 2023.

ROSSETTO, K. R.; LANNUTTI, P. J.; STRAUMAN, E. C. Death on Facebook: Examining the roles of social media communication for the bereaved. Journal of Social and Personal Relationship, Washington, DC, v. 32, n. 7, p. 974-994, 2015.

SAAD, E. A comunicação das organizações diante de públicos, esfera pública e opinião pública: como as plataformas sociais digitais se encaixam nisso?. Organicom, São Paulo, v. 17, n. 33, p. 39-48, 2020.

SILVERSTONE, R. Por que estudar a mídia? São Paulo: Loyola, 2005.

SODRÉ, M. A ciência do comum: notas sobre o método comunicacional. Petrópolis: Vozes, 2014.

VERHALEN, A. E. C. Perfis, lembranças e histórias: Projetando memórias digitais para o Instagram via design participativo. 2020. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciência da Computação) – Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2020.

Downloads

Publicado

2023-12-29

Edição

Seção

Dossiê

Como Citar

#ANJO: Explorando a produção e o consumo de memoriais a vítimas de crimes reais em plataformas de redes sociais. RuMoRes, [S. l.], v. 17, n. 34, p. 95–115, 2023. DOI: 10.11606/issn.1982-677X.rum.2023.216250. Disponível em: https://revistas.usp.br/Rumores/article/view/216250.. Acesso em: 28 maio. 2024.