Papel dos selos cartoneros na emergência e na afirmação de vozes negras na cena editorial brasileira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-9651.i26p164-201

Palavras-chave:

Cartonera das Iaiá, Ganesha Cartonera, Mundo editorial, Representação, Assunção de voz

Resumo

Nesse artigo abordamos a produção editorial independente e artesanal (particularmente a edição cartonera), focalizando na trajetória de dois selos editoriais criados em periferias brasileiras na segunda década do século XXI. Tomamos como corpus a produção dessas duas cartoneras para interpretar o impacto das edições independentes sobre o campo literário. Partindo de um objeto empírico, que é a experiência de editores e de editoras de selos artesanais, formulamos uma interpretação sobre o fenômeno cartonero, focalizando particularmente a questão de quem pode e quem não pode publicar seus escritos, discutindo aspectos editoriais com base em uma coleta de dados relativos à trajetória das duas editoras, bem como no uso de conceitos e na análise dos textos que integram os catálogos da Cartonera das Iaiá e da Ganesha Cartonera. Aborda-se também a autoria negra e feminina nas cartoneras, bem como a contribuição dessa tecnologia de edição nos processos de assunção de voz.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Ary Pimentel, Universidade Federal do Rio de Janeiro

    Ary Pimentel é doutor em Literatura Comparada (2001) e professor de Literaturas Hispano-americanas na Faculdade de Letras da UFRJ. Atua no PPG em Letras Neolatinas, com pesquisas sobre autorrepresentação dos subalternos, movimento poetry slam e edição literária por selos artesanais.

Referências

Achugar, Hugo. Planetas sem boca: escritos efêmeros sobre arte, cultura e literatura. Trad. Lyslei Nascimento. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006.

Almeida, Silvio. Discurso de posse do Ministro Silvio Almeida. Gov.Br. 2022. Disponível em: <https://www.gov.br/mdh/pt-br/assuntos/noticias/2023/janeiro/DiscursodepossedoMinistroSilvioAlmeidapdf.pdf>.

Bilbija, Ksenija, Celis Carbajal, Paloma, compil. Akademia Cartonera: Un ABC de las editoriales cartoneras en América Latina (Artículos académicos, Catálogo de publicaciones cartoneras y Bibliografía). Madison (Wisconsin): Parallel Press/University of Wisconsin–Madison Libraries, 2009.

Bourdieu, Pierre. As regras da arte: gênese e estrutura do campo literário. Trad. Maria Lucia Machado. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

Carneiro, Daniele, Rocha, Juliano. Sobre livros cartoneros: experiências em publicação de livros de papelão. Curitiba: Magnolia Cartonera, 2019.

Chartier, Roger. A aventura do livro: do leitor ao navegador. Trad. Reginaldo Carmello Corrêa de Moraes. São Paulo: Editora UNESP, 1999.

Chartier, Roger. Os desafios da escrita. Trad. Fulvia M. L. Moretto. São Paulo: Editora UNESP, 2002.

Colleu, Gilles. Editores independentes: da idade da razão à ofensiva? Tra. Márcia Atálla Pietroluongo. Rio de Janeiro: Libre, 2007.

Curiel, Ochy. Construindo metodologias feministas a partir do feminismo decolonial. In: Hollanda, Heloisa Buarque de, org. Pensamento feminista hoje: perspectivas decoloniais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2020, p. 120-138.

Dalcastagnè, Regina. A personagem do romance brasileiro contemporâneo: 1990-2004. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, n. 26. Brasília, jul.-dez. 2005, p. 13-71.

Dalcastagnè, Regina. Quando o preconceito se faz silêncio: relações raciais na literatura brasileira contemporânea. Gragoatá, n. 24. Niterói, p. 203-219, 1. sem. 2008.

Dalcastagnè, Regina. Um território contestado: literatura brasileira contemporânea e as novas vozes sociais. Iberic@l: Revue d’Études Ibériques et Ibéro-Américaines, 2012, n. 2, p. 13-18, jul.-dez. 2005.

de Diego, José Luis. Projetos editoriais e redes intelectuais na América Latina. Belo Horizonte: Moinhos, Contafios, 2020.

Fernandez, Raffaella. Os cadernos de Carolina como celeiro da palavra poética. In: Jesus, Carolina Maria de. Clíris: poemas recolhidos. Org. Raffaella Fernandez e Ary Pimentel. Rio de Janeiro: Desalinho, Ganesha Cartonera, 2019, p. 141-148.

Ferreira, Amanda Crispim. A poesia de Carolina Maria de Jesus: um estudo de seu projeto estético. Rio de Janeiro: Malê, 2022.

Gomes, Laurentino. Escravidão. Vol. 1: Do primeiro leilão de cativos em Portugal até a morte de Zumbi dos Palmares. Rio de Janeiro: Globo, 2019.

Gonzalez, Lélia. Por um feminismo afro-latino-americano. In: Hollanda, Heloisa Buarque de, org. Pensamento feminista hoje: perspectivas decoloniais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2020, p. 38-51.

Hall, Stuart. Cultura e representação. Org. Arthur Ithuassu. Trad. Daniel Miranda e William Oliveira. Rio de Janeiro: Editora PUC-Rio, 2016.

Harazim, Dorrit. O instante certo. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

Hooks, Bell. Erguer a voz: pensar como feminista, pensar como negra. Trad. Cátia Bocaiuva Maringolo. São Paulo: Elefante: 2019a.

Hooks, Bell. E eu não sou uma mulher?: mulheres negras e feminismo. Trad. Bhuvi Libanio. São Paulo: Rosa dos Tempos: 2019b.

Hooks, Bell. Olhares negros: raça e representação. Trad. Sthephanie Borges. São Paulo: Elefante: 2019c.

Jesus, Carolina Maria de. Antologia pessoal. Org. José Carlos Sebe Bom Mehy. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1996.

Jesus, Carolina Maria de. Clíris: poemas recolhidos. Org. Raffaella Fernandez e Ary Pimentel. Rio de Janeiro: Desalinho, Ganesha Cartonera, 2019.

Jesus, Carolina Maria de. Quarto de despejo: diário de uma favelada. São Paulo: Ática, 2020.

Kilomba, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo quotidiano. Trad. Nuno Quintas. Lisboa: Orfeu Negro, 2019.

Larraz, Fernando. ¿Un campo editorial? Cultura literaria, mercados y prácticas editoriales entre Argentina y España. Cuadernos del CILHA, año 15, n. 21, 2014, p. 123-136.

Mendes, Gerli. Clíris e a caneta de ouro. Ilustrações de Jean Magnus. Florianópolis: Caiaponte Edições, 2021.

Nascimento, Érica Peçanha do. Literatura marginal: os escritores da periferia entram em cena. São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2006. (Dissertação de Mestrado em Antropologia Social).

Prazeres, Andressa dos; Uila, Barbara, orgs. Irmandade da palavra: a voz da mulher no Recôncavo. Cachoeira, BA: Cartonera das Iaiá, 2019. (Aquarelas de Annie Ganzala).

Ribeiro, Ana Elisa. Livro: edição e tecnologia no século XXI. Belo Horizonte: Moinhos, Contafios, 2018.

Rocha, João Cezar de Castro. Literatura e cordialidade: o público e o privado na cultura brasileira. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1998.

Silva, Tianalva (Marinalva Silva dos Santos). Entre o rio e a praça. Cachoeira (BA): Cartonera das Iaiá, 2018. (Aquarelas de Annie Ganzala).

Silva, Tianalva (Marinalva Silva dos Santos). Migrantes. Cachoeira (BA): Cartonera das Iaiá, 2019. (Ilustrações de Renato Kiguera).

Downloads

Publicado

2023-10-09

Como Citar

PIMENTEL, Ary. Papel dos selos cartoneros na emergência e na afirmação de vozes negras na cena editorial brasileira. Caracol, São Paulo, Brasil, n. 26, p. 164–201, 2023. DOI: 10.11606/issn.2317-9651.i26p164-201. Disponível em: https://revistas.usp.br/caracol/article/view/206881.. Acesso em: 20 jun. 2024.