O ethos da inexistência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2236-4242.v37i1p228-244

Palavras-chave:

Escritas autobiográficas, Literatura feminina, Estudos do discurso, Metalinguística, Argumentação

Resumo

Na linha do diálogo entre os estudos do discurso e os estudos da argumentação, analisamos a construção do ethos no paratexto da obra Recordações da minha inexistência - memórias, de Rebecca Solnit (2021). Tendo em vista uma escrita que traça um discurso contra hegemônico no contexto social subjacente, importa-nos observar como o projeto de dizer dessa escrita autobiográfica se articula em função da construção do ethos discursivo da autora-narradora-personagem. Para tanto, analisamos as construções discursivas dos elementos paratextuais da obra. Consideramos que o ethos da inexistência feminina nessa obra se dá em condições linguísticas e extralinguísticas que compõem um eu que ressoa na coletividade. A partir das análises do paratexto da referida obra, destacamos como a construção do ethos discursivo da autora-narradora-personagem reflete e refrata os conflitos sociais constitutivos da autorrepresentação feminina na contemporaneidade de forma aporética, demarcando a autorreferência feminina por meio da lógica de um não-lugar.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Girlandia Gesteira Santos, Universidade Estadual de Santa Cruz

    Doutoranda em Letras pela Universidade Estadual de Santa Cruz (Brasil).
    Docente na Secretaria de Educação do Município de Canavieiras-BA (Brasil).
    Docente na Secretaria do Estado da Bahia (Brasil).

  • Yuri Andrei Batista Santos, Université Grenoble Alpes

    Doutor em Letras pela Universidade de São Paulo (Brasil) e pela Université de Paris (França) (2023).
    Docente na Université Grenoble Alpes (França).

  • Vânia Lúcia Menezes Torga, Universidade Estadual de Santa Cruz

    Doutora em Letras- pela Universidade Federal de Minas Gerais (2006).
    Docente na Universidade Estadual de Santa Cruz (Brasil)

Referências

AMORIM, M. Memória do objeto – uma transposição bakhtiniana e algumas questões para a educação. Baktiniana, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 8-22, 2009. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/bakhtiniana/article/view/2993/1927. Acesso em: 09 out. 2023.

AMOSSY, R. A argumentação no discurso. Tradução de Angela M. S. Corrêa et al. São Paulo: Contexto, 2018.

AMOSSY, R. (Org.) Imagens de si no discurso: a construção do ethos. São Paulo: Contexto, 2019.

ARFUCH, L. O espaço biográfico: dilemas da subjetividade contemporânea. Tradução de Paloma Vidal. Rio de Janeiro: Eduerj, 2010

BAJTIN, M. Hacia una filosofia del acto ético. In: BAJTIN, M. Hacia una filosofia del acto ético - De los borradores y otros escritos. Traducción de Tatiana Bubnova. Comentarios de I. Zavala y A. Ponzio. San Juan: Universidad de Puerto Rico/Anthropos, 1997, p. 7-81.

BAKHTIN, M. Reformulação do livro sobre Dostoiévski. In: BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Tradução de Paulo Bezerra. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011, p. 337-358.

BAKHTIN, M. O discurso em Dostoiévski. In: BAKHTIN, M. Problemas da poética de Dostoiévski. Tradução de Paulo Bezerra. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2015, p. 207-234.

BRAIT, B. Discursos de Resistência: do paratexto ao texto ou vice-versa. Alfa. São Paulo, v. 63, n. 2, p. 243- 263, 2019. Disponível em: https://www.scielo.br/j/alfa/a/ytTWBVFcYsjjjQhMtfR5gxF/?format=pdf. Acesso em: 10 set. 2022.

LEJEUNE, P. O pacto autobiográfico. Tradução de Jovita Maria Gerheim Noronha e Maria Inês Coimbra Guedes. Org. Jovita Maria Gerheim Noronha. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.

MBEMBE, A. Necropolítica. 3. ed. São Paulo: n-1 edições, 2018.

MORSON, G.; EMERSON, C. Mikhail Bakhtin: criação de uma prosaística. Tradução de Antônio de Pádua Danesi. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2008.

SABIÁ, S. Paratexto: títulos, dedicatorias y epígrafes en algunas novelas mexicanas. Espéculo: Revista de estudios literários, n. 31, 2005. Disponível em: https://biblioteca.org.ar/libros/152176.pdf. Acesso em: 02 fev. 2024.

SANTOS, Y. O ethos de um legado. Entrepalavras, v. 11, n. 2, e2083, p. 1-19, 2021. DOI: http://dx.doi.org/10.22168/2237-6321-22083.

SANTOS, Y. A. B; TORGA, V. L. M. Autobiografia e (res) significação. Bakhtiniana, v. 15, p. 119-140, 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/2176-457342467.

SOLNIT, R. Recordações da minha inexistência: memórias. Tradução de Isa Mara Lando. 1 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2021.

VOLÓCHINOV, V. (Círculo de Bakhtin). Estilística do discurso literário II – A construção do enunciado (1930) In: VOLÓCHINOV, V. (Círculo de Bakhtin). A palavra na vida e a palavra na poesia: ensaios, artigos, resenhas e poemas. Organização, tradução, ensaio introdutório e notas por Sheila Grillo e Ekaterina Vólkova Américo. 1. ed. São Paulo: Editora 34, 2019, p. 266-306.

Downloads

Publicado

2024-03-14

Como Citar

SANTOS, Girlandia Gesteira; SANTOS, Yuri Andrei Batista; TORGA, Vânia Lúcia Menezes. O ethos da inexistência. Linha D’Água, São Paulo, v. 37, n. 1, p. 228–244, 2024. DOI: 10.11606/issn.2236-4242.v37i1p228-244. Disponível em: https://revistas.usp.br/linhadagua/article/view/213208.. Acesso em: 20 jun. 2024.