K-dramas originais Netflix no catálogo brasileiro: melodrama e literacia midiática

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-677X.rum.2023.215298

Palavras-chave:

K-dramas, Melodrama, Netflix

Resumo

As plataformas de streaming expandem a ficção seriada para novos mercados e estimulam nos polos produtores estratégias como o uso de temáticas locais, com aspectos de universalidade. Conjuntura que instiga a perceber proximidades e possibilidades de diálogo entre produções pertencentes a diferentes culturas. O artigo – por meio de mapeamento e análise – constata a progressão numérica dos K-dramas disponíveis na plataforma Netflix Brasil. Com base nesse contexto, analisa-se a questão dos gêneros televisivos como categorias culturais que asseguram modelos de leitura e interpretação e configuram storyworlds. A discussão sugere que os traços melodramáticos dos K-dramas aproximam as produções sul-coreanas da audiência brasileira. O artigo conclui que o gênero melodrama é fator determinante para a popularidade desse formato no país, pois integra a literacia do público brasileiro devido à telenovela.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Ligia Prezia Lemos, Universidade de São Paulo

    Doutora e mestre em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo, USP, com Pós-doutorado pela mesma instituição. Vice Coordenadora do GP Ficção Televisiva Seriada da Intercom. Pesquisadora do GELiDis, Grupo de Pesquisa Linguagens e Discursos nos Meios de Comunicação (ECA-USP) e do ObEEC, Observatório de Experiências Expandidas em Comunicação (UFMA).

  • Tomaz Affonso Penner, Universidade de São Paulo

    Doutor em Comunicação pela ECA-USP.

Referências

ABELMANN, N. Melodramatic Texts and Contexts: Women’s Lives, Movies and Men. In: MCHUGH, K; ABELMANN, N (Orgs.). South Korean Golden Age Melodrama: Gender, Genre, and National Cinema. Detroit: Wayne State University Press, 2005. p. 43-60.

AN, J. Y. New directions in K-drama studies. Journal of Japanese and Korean Cinema, Londres, v. 14, n. 2, p. 91-97, 2022.

BAKHTIN, M. Estética da Criação Verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BAKHTIN, M. A cultura popular na Idade Média: o contexto de François Rabelais. São Paulo: Hucitec; Brasília, DF: Universidade de Brasília, 2008.

BROOKS, P. The melodramatic imagination: Balzac, Henry James, Melodrama, and The Mode of Excess. New Heaven: Londres: Yale University Press, 1995.

CALABRESE, O. A idade Neobarroca. Lisboa: Edições 70, 1988.

CARVALHO, L. M. Repensando o melodrama no contexto asiático: um estudo sobre a série televisiva sul-coreana Dae Jang Geum. Contemporanea, São Carlos, v. 6, n. 1, p. 2-19, 2008.

CASTELLS, M. Communication Power. Nova York: Oxford University Press, 2009.

CHOI, E.; RALEY, R. K-streams: Global Korea and the OTT Era. Post45, 23 fev. 2023. Disponível em: https://post45.org/2023/02/k-streams-global-korea-and-the-ott-era/. Acesso em: 19 mar. 2023.

ECO, U. Seis Passeios pelos Bosques da Ficção. São Paulo: Cia. das Letras, 1997.

FRATER, P. Asia Pay-TV Sector Set for Further Weakness, Not Elimination, Says Study. Variety, 5 dez. 2022. Disponível em: https://variety.com/2022/biz/news/asia-pay-tv-sector-further-weakness-1235450027/. Acesso em: 19 mar. 2023.

FREIRE, P. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Cortez, 1982

FUENZALIDA, V; CORRO, P; MUJICA, C. Melodrama, subjetividade e história no cinema e na televisão chilena dos anos 90. Santiago: Pontifícia Universidade Católica do Chile, 2009.

GRASSAU, D; MUJICA, C; BRUNA, A. Distancias y afinidades entre doramas y ficciones locales según guionistas chilenos: el melodrama en Switched. Comunicación y Medios, Santiago, v. 29, n. 42, p. 16-29, 2020.

HALL, S. Cultura e representação. Rio de Janeiro: PUC-Rio: Apicuri, 2016.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. 12ª ed. São Bernardo do Campo: Lamparina, 2019.

JOO, J. Transnationalization of Korean Popular Culture and the Rise of ’Pop’ Nationalism in Korea. Journal of Popular Culture, [S.l.], v. 44, n. 3, p. 489-504, 2011.

KOREAN CULTURE AND INFORMATION SERVICE SOUTH KOREA. K-DRAMA: A New TV Genre with Global Appeal. Ministry of Culture, Sports and Tourism and Korean Culture and Information Service, 2011.

LEE, H. Contemporary Korean Cinema: Culture, Identity and Politics. Manchester: Manchester University Press: 2000.

LEE, K. Morae Sigye: “Social Melodrama” and the Politics of Memory in Contemporary South Korea. In: MCHUGH, K.; ABELMANN, N. (Orgs.). South Korean Golden Age Melodrama: Gender, Genre, and National Cinema. Detroit: Wayne State University Press, 2005. p. 229-245.

LEE, J. H; YU, S. Y. The Influence of the Aspects of K-drama on the Favourability of Korean Wave Contents, Viewing Motivation and Purchasing Intention of Korean Products: Targeting Chinese Consumers. International Journal of Pure and Applied Mathematics, Sófia, v. 118, n. 19, p. 429-443, 2018.

LOTZ, A. We Now Disrupt This Broadcast: How Cable Transformed Television and the Internet Revolutionized It All. Londres: The MIT Press, 2018.

MARTÍN-BARBERO, J. Dos meios às mediações: Comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ. 2009.

MAZUR, D. A Indústria Televisiva Sul-Coreana no Contexto Global. Ação Midiática, Curitiba, n. 22, p. 172-191, 2021.

MAZUR, D.; MEIMARIDIS, M.; RIOS, D. O Mercado de Streaming na Coreia do Sul: Disputas Internas e a Invasão Estrangeira. Novos Olhares, São Paulo, v. 10, n. 1, p. 88-101, 2021.

MEDIA PARTNERS ASIA. Asia Pacific Pay-TV Distribution 2022: the future of pay-tv & fixed broadband in Asia. Hong Kong: MPA, 2022.

MITTELL, J. A cultural approach to television genre theory. Cinema Journal, Austin, v. 40, n. 3, p. 3-24, 2001.

MITTELL, J. Genre and television: From Cop Shows to Cartoons in American Culture. Nova York: Routledge, 2004.

MOTTER, M. L. O que a ficção pode fazer pela realidade? Comunicação & Educação, São Paulo, n. 26, p. 75-79, 2003. DOI: 10.11606/issn.2316-9125.v0i26p75-79

MUNGIOLI, M. C. P. Minissérie Grande Sertão: Veredas: gêneros e temas. Construindo um sentido identitário de Nação. 2006. Tese (Doutorado em Teoria e Pesquisa em Comunicação) – Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

NYE JR., J. S. The benefits of soft power. Working Knowledge, 8 fev. 2004. Disponível em: https://hbswk.hbs.edu/archive/the-benefits-of-soft-power. Acesso em: 7 nov. 2023.

PAQUET, D. Genrebending in Contemporary Korean Cinema. Koreanfilm, 6 jul. 2000. Disponível em: https://www.koreanfilm.org/genrebending.html. Acesso em: 7 nov. 2023.

PARK, J. H; KIM, K. A; LEE, Y. Netflix and Platform Imperialism: How Netflix Alters the Ecology of the Korean TV Drama Industry. International Journal of Communication, Los Angeles, v. 17, p. 72-91, 2023.

PENNER, T. A.; STRAUBHAAR, J. Títulos originais e licenciados com exclusividade no catálogo brasileiro da Netflix. MATRIZes, São Paulo, v. 14, n. 1, p. 125-149, 2020.

ROMANI, B; ARIMATHEA, B. Netflix ganha 2,4 milhões de assinantes e recupera perdas de 2022. Terra, 18 out. 2022. Disponível em: https://www.terra.com.br/byte/netflix-ganha-24-milhoes-de-assinantes-e-recupera-perdas-de-2022,9b61232e49f5dc588d57154fd1677488bq58mf47.html. Acesso em: 9 mar. 2023.

RUFINO, L. A bem-sucedida experiência Sul Coreana no Audiovisual. Ancine, 8 nov. 2018. Disponível em: https://www.gov.br/ancine/pt-br/centrais-de-conteudo/publicacoes/apresentacoes/OsucessosulcoreanonoAudiovisual.pdf. Acesso em: 9 mar. 2023.

RYAN, M-L. Storyworlds across Media: Introduction. In: RYAN, Marie-Laure; THON, Jan-Noël. (Orgs.). Storyworlds across media: toward a media-concious narratology. Lincoln: University of Nebraska Press, 2014. p. 1-21.

SCHULZE, M. Korea vs. k-dramaland: the culturalization of k-dramas by international fans. Acta Koreana, Daegu, v. 16, n. 2, p. 367-397, 2013.

SHIM, D. Hybridity and the rise of Korean popular culture in Ásia. Media, Culture & Society, Thousand Oaks, v. 28, n. 1, p. 25-44, 2006.

SILVA, M. V. Origem do drama seriado contemporâneo. MATRIZes, São Paulo, v. 9, n. 1, p. 127-143, 2015.

THOMASSEAU, J-M. O melodrama. São Paulo: Perspectiva, 2005.

TODOROV, T. Os gêneros do discurso. São Paulo: Martins Fontes, 1980.

URBANO, K; ARAUJO, M. Beyond japanese lenses: reflections on the korean diaspora and the hallyu in Brazil. Revista ALAIC, São Paulo, v. 20, n. 37, p. 203-213, 2021.

YOKE; S. K, JAMIL, N. I. The Influence of K-Drama among Youths: A Malaysian Case Study. International Journal of Research in Business and Social Science, Bahawalpur, v. 12, n. 1, p. 1709-1720, 2022.

YUAN, Y. Woo Young-Woo’s Whale: A Response to K-streams. Post45, 23 fev. 2023.

Downloads

Publicado

2023-12-29

Edição

Seção

Dossiê

Como Citar

K-dramas originais Netflix no catálogo brasileiro: melodrama e literacia midiática. RuMoRes, [S. l.], v. 17, n. 34, p. 55–76, 2023. DOI: 10.11606/issn.1982-677X.rum.2023.215298. Disponível em: https://revistas.usp.br/Rumores/article/view/215298.. Acesso em: 28 maio. 2024.